O que esperar do concurso ABIN? – Língua Portuguesa

Barões e Baronesas,

No certame para o cargo de Oficial de Inteligência da ABIN, a disciplina de Língua Portuguesa é a única que aparece nos dois tipos de provas aplicadas na Primeira Fase – objetiva e discursiva (redação). Portanto, meus caros, este bigodudo que vos fala recomenda fortemente uma atenção especial nesta matéria durante a preparação para o próximo concurso! Vejamos, a seguir, como isso pode ser feito.

O formato e a configuração das questões são os primeiros aspectos com os quais os candidatos precisaram estar familiarizados. No último processo seletivo, realizado em 2008, a matéria integrou a parte de “Conhecimentos Gerais” da prova objetiva e possuiu vinte e cinco itens para julgamento como “certo” ou “errado”. Já em termos de conteúdo, o edital requereu conhecimento sobre os seguintes tópicos:

1 Compreensão e interpretação de textos.

2 Tipologia textual.

3 Ortografia oficial.

4 Acentuação gráfica.

5 Emprego das classes de palavras.

6 Emprego do sinal indicativo de crase.

7 Sintaxe da oração e do período.

8 Pontuação.

9 Concordância nominal e verbal.

10 Regência nominal e verbal.

11 Significação das palavras.

O exame discursivo, por sua vez, consistiu de uma redação argumentativa-dissertativa, com extensão máxima de trinta linhas e valor de dez pontos. Essa prova teve o objetivo de avaliar os postulantes no que se refere ao conhecimento do tema, à capacidade de expressão na modalidade escrita e ao uso das normas do registro formal culto da Língua Portuguesa.

Para deixá-los ainda mais afinados com as demandas desse concurso, dois excelentes mestres da Língua Portuguesa trouxeram orientações e dicas de estudos valiosas para cada prova da disciplina. Vejam, abaixo, o vídeo da querida professora Isabel Vega falando sobre as características gerais das questões e os temas que costumam ser mais cobrados pelos examinadores no exame objetivo. Em seguida, confiram o bate-papo supimpa que tive com o professor Ádamo Escobar a respeito da prova de Redação e as principais dúvidas que os candidatos possuem sobre ela!

 

Dicas para a prova objetiva – Prof. Isabel Vega:

https://www.youtube.com/watch?v=dozNIHTm77M&feature=youtu.be

 

Entrevista sobre a prova de Redação (ABIN) – Prof. Ádamo Escobar:

 

O Barão – A prova de redação da ABIN é diferente das redações de outros concursos? Quais seriam as principais particularidades do exame?

Ádamo Escobar – Inicialmente, precisamos considerar cumprindo-se nossa expectativa, o CESPE/CEBRASPE será a banca organizadora, e o status de prova diferenciada será mantido. Além do óbvio domínio da nossa língua, é preciso dar atenção especial à Dissertação e suas especificidades: mais do que bom conhecimento gramatical, o candidato deve redigir um texto claro, objetivo, coerente e diferenciado, valorizando o assunto proposto e demonstrando desenvoltura no uso das atualidades que envolvem o tema.

Um olhar superficial talvez não demonstre nada tão desafiador – pois outras provas também cobram os mesmos conteúdos. Contudo, se lembrarmos que no último concurso para a ABIN (2008) mais de 30% dos candidatos foram eliminados por não alcançarem a nota mínima em redação – 60% da nota -, perceberemos que um olhar mais profundo se faz necessário para atingirmos o objetivo: excelência em redação.

 

O Barão – De que forma o conteúdo de Língua Portuguesa é cobrado na redação? O que a banca espera do candidato nesta prova?

A. E. – O pleno domínio da língua fica claro já no edital: grafia/acentuação, morfossintaxe e propriedade vocabular aparecem com destaque. É preciso ter em mente, no entanto, que a redação não é um desfile de competências gramaticais isoladas. Os conhecimentos linguísticos precisam estar a serviço da redação, da coerência, do bom texto. Assim, a banca espera que o domínio pleno não resulte em texto difícil, jurídico, complicado, mas sim um texto claro, de leitura fácil.

 

O Barão – Quais assuntos você considera mais passíveis de serem escolhidos como tema da próxima prova? Por quê?

A. E. – Questões que consigam cobrar conteúdos atuais e temas de interesse da ABIN têm a nossa aposta: terrorismo, refugiados, energia, espionagem em tempos de alta tecnologia, espionagem econômica e industrial, segurança e defesa do Estado e meio ambiente. É bom levar em conta o último tema cobrado (Segredo de Estado e Cidadania) e os aspectos obrigatórios que toda prova CESPE vem cobrando. Eles demonstram que a banca tem um conceito bem amplo de “atualidades”.

 

O Barão – Qual é a melhor maneira de estudar e se preparar para uma prova de redação como essa?

A. E. – Assistir a todas as aulas do curso e fazer as atividades é o básico. Cada atividade corrigida deve ser revista, numa espécie de PDCA, a fim de se evitar a repetição de erros. O bom aluno de redação comete novos erros, ousa mais a cada texto, tentando aplicar as novas técnicas aprendidas ao longo do curso. Outra ação obrigatória é a leitura e estudo do edital. Friso a palavra “estudo”. Não basta ler apenas, para “cumprir tabela”. Leia, interprete, tenha total consciência de como a prova é estruturada, o que são os aspectos obrigatórios, como eles devem aparecer dentro do texto, etc. Ademais, leitura intensiva sobre atualidades é importante para que nenhum tema seja surpresa para o candidato, além de contribuir para uma argumentação realmente diferenciada.

 

O Barão – Com base na sua experiência como professor dessa disciplina, quais são os erros mais comuns cometidos pelos candidatos na redação? O que eles podem fazer para evitá-los?

A. E. – Certamente, o mais temido dos erros é a “fuga ao tema”. Seja a fuga total ou o tangenciamento, o candidato não pode se permitir cometer tal falha. Todo o esforço despendido posteriormente será em vão se seu texto não cumpre o tema proposto.

Outras falhas – menores, mas também prejudiciais – são a ausência de pontos de vista claro e, consequentemente, a expositividade em textos argumentativos. A melhor dica para evitar a maior parte desses erros é: faça o planejamento textual completo.

Outras dicas úteis são: ler e reler o edital para identificar previamente o tipo textual que será cobrado, interpretar o tema com calma, fazer bom uso das atualidades e dos exemplos, cuidar da apresentação do texto e de sua legibilidade e, por último e bem importante, cuidar da coesão. Períodos longos prejudicam muito a correção.

 

O Barão – Por fim, qual é o segredo para uma redação nota dez na ABIN?

A. E. – Aprender a fazer uma redação diferenciada aos olhos do corretor. Aprender como é feita a correção da redação. Resumindo, aprender a pensar como o corretor. Que tipo de texto ele gosta? Se ele deseja uma leitura fluida, rápida e objetiva, que erros devo evitar para que não surjam barreiras? Nosso curso ensina a reconhecer essas armadilhas e, principalmente, ensina a como ser diferente.

 

Participações especiais neste post:

Isabel Vega – Mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Leciona a disciplina de Língua Portuguesa no Colégio Pedro II e nos cursos preparatórios de Carreiras Públicas e Internacionais do Damásio Educacional / Clio.

Ádamo Escobar – Possui graduação em Letras – Português/Literatura pelo Centro Universitário da Cidade (2004). Leciona a disciplina de Língua Portuguesa no Colégio e Vestibular de _A_Z e nos cursos preparatórios de Carreiras Internacionais do Damásio Educacional / Clio.

 

 

VEJA TAMBÉM:

O que esperar do concurso ABIN? – Atualidades

O que esperar do concurso ABIN? – Geografia Contemporânea

.

#PassandoDeFase no CACD – Língua Portuguesa

Mancebos e moçoilas,

Finalizaremos a série #PassandoDeFase no CACD falando sobre a prova discursiva de Língua Portuguesa na Segunda Fase do concurso, que acontecerá daqui a três dias! Esse é um exame que não costuma sofrer alterações significativas de uma edição para outra. Nos últimos dez anos, o modelo e o conteúdo das questões se mantiveram exatamente os mesmos, com apenas algumas pequenas mudanças em sua formatação, como o tamanho dos exercícios e a extensão da redação por exemplo. No edital 2017, essa regra se manteve e nenhuma novidade se apresentou para essa disciplina.

A recorrência do mesmo modelo de prova por vários anos é um fator que pode ajudar (e muito!) os candidatos no planejamento da preparação e na definição do plano de estudos. Oras, com um formato de exame padronizado fica muito mais fácil prever o que pode aparecer na avaliação vindoura e realizar os necessários treinamentos e revisões do conteúdo requerido pela banca examinadora.

A seguir, confiram as principais informações sobre a estrutura e o conteúdo da prova escrita de Língua Portuguesa.

 

Data e horário da prova:

  • 30 de setembro (sábado)
  • Início: 14h00
  • Término: 19h00

 

Composição da prova:

  • uma redação sobre tema geral, com extensão de 600 a 650 palavras – valor: 60 pontos
  • dois exercícios de interpretação, de análise ou de comentário de textos, com extensão de 120 a 150 palavras – valor: 20 pontos (cada)
  • pontuação total: 100 pontos

 

Conteúdo programático requerido:

ITENS

SUBITENS

1 Língua portuguesa: modalidade culta usada contemporaneamente no Brasil 1.1 Sistema gráfico: ortografia, acentuação e pontuação; legibilidade.  —–
1.2 Morfossintaxe.  —–
1.3 Semântica.  —–
1.4 Vocabulário.  —–
2 Leitura e produção de textos 2.1 Compreensão, interpretação e análise crítica de textos escritos em língua portuguesa.  —–
2.2 Conhecimentos de linguística, literatura e estilística: funções da linguagem; níveis de linguagem; variação linguística; gêneros e estilos textuais; textos literários e não literários; denotação e conotação; figuras de linguagem; estrutura textual.  —–
2.3 Redação de textos dissertativos dotados de fundamentação conceitual e factual, consistência argumentativa, progressão temática e referencial, coerência, objetividade, precisão, clareza, concisão, coesão textual e correção gramatical. 2.3.1 Defeitos de conteúdo: descontextualização, generalização, simplismo, obviedade, paráfrase, cópia, tautologia, contradição.
2.3.2 Vícios de linguagem e estilo: ruptura de registro linguístico, coloquialismo, barbarismo, anacronismo, rebuscamento, redundância e linguagem estereotipada.

criterios-avaliacao-portugues-jpg

Baixe aqui as tabelas em PDF

 

Mais do que em qualquer outra disciplina, a prática continuada de redações e questões discursivas de interpretação de texto é um elemento imprescindível para os estudos neste momento. Portanto, caríssimos, a realização das provas anteriores e a leitura das melhores respostas compiladas nos Guias de Estudos do Instituto Rio Branco são atividades praticamente obrigatórias para aqueles que desejam ficar 100% afinados com as exigências da Segunda Fase.

A cereja para esse bolo de aprendizado, fica por conta do prezado mestre Fernando Entratice, especializado em Língua Portuguesa para o CACD. No vídeo abaixo, o professor traz orientações e dicas excepcionais para desmistificar o exame de Redação em Português e, assim, ajudá-los a cumprir com louvor mais essa tarefa desafiadora da caminhada rumo ao Itamaraty! 🙂

 

Participação especial neste post:

avatar_entraticeFernando Entratice – Bacharel em Relações Internacionais pela Universidade de São Paulo (USP). Leciona a disciplina de Técnicas de Redação em Português, com ampla experiência na análise de correções da banca Cespe/UnB, nos cursos preparatórios de Carreiras Internacionais do Damásio Educacional / Clio.

 

 

 

VEJA A SÉRIE COMPLETA:

#PassandoDeFase no CACD – História do Brasil

#PassandoDeFase no CACD – Direito Internacional Público

#PassandoDeFase no CACD – Direito Interno

#PassandoDeFase no CACD – Língua Espanhola e Língua Francesa

#PassandoDeFase no CACD – Língua Inglesa

#PassandoDeFase no CACD – Política Internacional

#PassandoDeFase no CACD – Noções de Economia

#PassandoDeFase no CACD – Geografia

.